Saúde e bem estar

Jovem que nasceu sem vagina quer ajuda para operar

Reprodução/Instagram

Uma mulher norte-americana passa por um drama bem incomum. Kaylee Moats nasceu sem vagina após ser diagnosticada com a síndrome de Rokitansky. Agora, tenta angariar verba para a cirurgia de construção de uma abertura vaginal por financiamento coletivo.

A síndrome de Rokitansky é caracterizada por uma má formação do órgão sexual feminino, que pode gerar uma vagina encurtada (ou inexistente) e a não-formação de um útero.

A cirurgia custa 15 mil dólares (cerca de R$ 48 mil). A necessidade de criar um financiamento coletivo se deu porque o seguro de saúde de Kaylee não financiará com a alegação de que não é um tratamento que salve vidas.

Até agora, US$ 3.500 (cerca de R$ 11 mil) foram angariados para tratar este problema que afeta apenas uma em cada cinco mil mulheres.

Em entrevista à Barcroft TV ela contou que tudo começou com a falta de menstruação até os 18. Isso fez Kaylee perceber que alguma coisa estava errada. Para checar se a percepção tinha algum fundamento, ela foi ao médico. O doutor percebeu que a jovem não tinha útero, colo do útero, vagina ou abertura vaginal.

Geralmente as mulheres demoram para descobrir este problema porque a parte externa da genitália (vulva) é normal, e elas sentem prazer por estimulação do clitóris.

Esta not&iaciacute;cia deixou Kaylee e a sua família devastadas. Principalmente porque eles perceberam que ela não poderia ter filhos. “Estou triste por não poder ter filhos. Isto faz me sentir menos mulher, porque não consigo fazer o que as mulheres estão aptas a fazer”, falou Kaylee para a Barcroft TV.

“Tive uma sensação do tipo: por que? Por que ela tem isso”, admitiu a sua mãe, Laura Moats, na mesma entrevista.

A irmã de Moats, Amanda, escreveu na página de financiamento coletivo: “Não houve nada pior do que saber que os sonhos da minha irmã por sua vida foram mudados tão drasticamente em um instante, e eu ou qualquer outra pessoa não podemos fazer para melhorar”.

Kaylee já sabe o que fazer. “Meu próximo passo é fazer essa cirurgia de reconstrução vaginal. Assim eu posso estar apta a fazer relações sexuais com meu futuro marido ou mulher”.

Ela admitiu que quando começou a namorar, teve dificuldade em saber como o namorado lidaria com a situação. “Quando eu e ele começamos a namorar, minha dúvida era: quando vou contar para ele? Como ele vai reagir?

Mas Robert Limmer reagiu bem: “Quando ela me contou a história, isto só me fez amá-la ainda mais. Eu disse que estarei ao lado dela para o que ela precisar”.

©Miklos/Moore
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Redes Sociais

/ Free WordPress Plugins and WordPress Themes by Silicon Themes. Join us right now!