Carnaval

Mocidade e Portela vão dividir título do Carnaval do Rio 2017

Foto: Reprodução/TV Globo

A Liesa decidiu pela divisão do título entre as escolas de samba Portela e Mocidade. A decisão foi discutida na noite desta quarta-feira (5). Foram 7 votos a favor; houve 5 abstenções e só a Portela votou contra. Um segundo troféu será entregue à Mocidade e o prêmio, que não teve o valor divulgado, será dividido.

A Mocidade havia perdido para a Portela por um décimo, na apuração divulgada na Quarta-Feira de Cinzas, na Sapucaí. O décimo em questão se deu por equívoco do julgador Valmir Aleixo, que avaliou o quesito enredo: ele se baseou na versão antiga do livro Abre-alas e tirou ponto da Mocidade, alegando que ela não apresentou um destaque de chão que, na versão atualizada, não iria mais se apresentar.

Se a nota correta fosse dada (10 em vez de 9,9), a Mocidade ficaria empatada em pontos com a Portela (269,9), mas seria campeã devido ao critério de desempate. Pela ordem sorteada pela Liesa, em caso de pontuação final igual, o desempate seria feito pelos quesitos na seguinte ordem: enredo, mestre-sala e porta bandeira, harmonia, evolução, comissão de frente, samba-enredo, fantasia, bateria e alegorias e adereços.

Com a nota corrigida, as escolas empatam nos quatro primeiro quesitos, e a escola de Padre Miguel ganha devido às notas de comissão de frente, em que levou 10 e a Portela perdeu um décimo. Com o recurso, a Liesa optou por dividir o título.

Após a divulgação das justificativas das notas dos jurados, a escola de Padre Miguel lamentou o equívoco e disse que vai cobrar uma melhor preparação técnica dos julgadores. Apesar do descontentamento com a justificativa da nota, cumprimentou a Portela pelo “belíssimo desfile e o merecido título conquistado”.

“O que questionamos nesta nota é o despreparo apresentado pelo julgador em questão para cumprir tão importante função. É inadmissível que o sonho de uma comunidade seja jogado fora por um erro tão crasso. Criar algo que em nenhum momento esteve no livro Abre-alas’ e em cima disso nos penalizar, soa estranho e sem explicação. A Mocidade se posiciona em busca de mais preparação técnica e responsabilidade para todos os julgadores. Cobraremos isso! Meses de investimento, trabalho pesado, e a dedicação de milhares de componentes não podem ser prejudicados desta maneira”, dizia a nota que conclama a comunidade a continuar acreditando na escola para buscar o campeonato em 2018.

Também em nota, a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) explicou que, em 11 de janeiro, a Mocidade enviou uma versão do livro Abre-alas na qual cita a presença da destaque Camila Silva, descrevendo sua fantasia como “O esplendor dos sete mares”, para os julgadores estudarem as escolas.

A Liesa diz ainda que em 31 de janeiro, data da realização do curso de julgadores para o quesito enredo, os julgadores receberam uma versão impressa em preto e branco, bem como a digital colorida, para poder nortear e iniciar seu trabalho de pesquisa visando o julgamento a ser realizado por ocasião dos desfiles, conforme vem ocorrendo todos os anos.

Mas, de acordo com a Liesa, só após a distribuição da segunda versão do Abre-alas, a Mocidade alterou o roteiro enviado inicialmente, informando que Camila Silva seria rainha de bateria, com o figurino “Dona das Areias, Iemanjá”.

A Liesa diz que pode ter havido uma falha de comunicação, na qual o julgador tenha considerado informações do livro inicial e não do impresso entregue aos jurados no dia do desfile.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Redes Sociais

/ Free WordPress Plugins and WordPress Themes by Silicon Themes. Join us right now!